11 de fev de 2016

Mortes no trânsito caem 21,4%

Na comparação de janeiro a novembro de 2014 com o mesmo período do ano passado, 246 vidas foram salvas no trânsito da capital paulista, com adoção de medidas do Programa de Proteção à Vida. Mortes de ciclistas caíram 27,4% com 12 vidas salvas


Um estudo produzido pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) apontou uma queda de 21,4% no número de mortes no trânsito na cidade de São Paulo. O levantamento mostra que 246 vidas foram salvas na comparação entre janeiro a novembro de 2014 com o mesmo período do ano passado.



Enquanto nos 11 primeiros meses de 2014 foram registrados 1.150 óbitos, no mesmo período de 2015 ocorreram 904 casos. Considerando apenas o mês de novembro dos dois anos, as mortes diminuíram 23,5%, com 75 casos no ano passado, contra 98 em 2014.

quadro mostra que  as ações implantadas pela Prefeitura de São Paulo, por meio do Programa de Proteção à Vida (PPV), colaboram para que a cidade se aproxime da meta da capital para a Década de Segurança Viária da ONU, de 6 mortes a 100 mil habitantes até 2020. Em novembro do ano passado, esse índice foi de 8,36 por 100 mil habilitantes, uma queda na série histórica. Em dezembro de 2014, o índice era de 10,47.


Em todo o Brasil, o índice é de 23,40; no Estado de São Paulo, é de 17,40 e, na Região Metropolitana (RMSP), de 19,40 mortes por 100 mil habitantes.


CiclistasEm relação aos ciclistas, o estudo apontou queda de 27,4% no número de mortes, na comparação de janeiro a novembro de 2014 com o mesmo período do ano passado. Nos 11 primeiros meses de 2015 foram registradas 31 mortes, ante 43 casos fatais em 2014. 

A malha cicloviária municipal chegou a 381 km, dos quais 284,4 km foram implantados na atual gestão. “A expansão da malha cicloviária tem protegido os ciclistas, que passam a circular em vias segregadas. A decisão da política pública voltada à bicicleta também está fomentando a conscientização de um trânsito mais seguro e pacífico”, disse o secretário Jilmar Tatto (Transportes).


MotociclistasAs mortes de motociclistas em acidentes registraram queda de 19% na comparação entre os 11 primeiros meses de 2014 com o mesmo período do ano passado. A redução foi de 410 casos para 332. No mesmo período de 2013, foram 367 casos, o que significa que a curva vinha de um crescimento de 11,7%.

Para o secretário Jilmar Tatto, esse cenário positivo é resultado do amplo trabalho de segurança voltado às motocicletas. “A maior fiscalização e implantação de sinalização específica para motociclistas tem ajudando a reduzir o índice de acidentes”, afirmou.


Pedestres e motoristasO estudo ainda constatou uma redução de 23,9% no número de mortes de pedestres, que passou de 506 óbitos de janeiro a novembro de 2014 para 385 casos no mesmo período do ano passado. As ocorrências fatais envolvendo motoristas e passageiros também tiveram queda, de 18,3%. Foram 156 mortes em 2015, contra 191 casos em 2014.

“O conjunto de ações implantadas pela Companhia através do Programa de Proteção à Vida estão preservando os agentes mais vulneráveis no trânsito”, disse Tatto.


Programa de Proteção à VidaO Programa de Proteção à Vida foi iniciado em 2013, no começo da atual gestão, e busca a redução de acidentes e atropelamentos na cidade ampliando uma série de ações para segurança de todos os agentes do trânsito, especialmente os pedestres. A iniciativa inclui várias frentes como o CET no Seu Bairro, a implantação de Áreas 40, da Frente Segura (bolsões de parada junto aos semáforos para motociclistas e bicicletas), das faixas de pedestres diagonais em cruzamentos de grande movimento e da redução de velocidade máxima para o padrão de 50 km/h nas vias arteriais. Também foram revitalizados os semáforos de 4.537 cruzamentos na cidade. Com isso, pretende-se melhorar a segurança dos usuários do sistema viário, buscando a convivência pacífica entre todos.